Investimentos Inteligentes – Gustavo Cerbasi

Investimentos Inteligentes - Gustavo CerbasiInvestimentos Inteligentes é uma continuação dos livros anteriores do autor, especialmente de Dinheiro – Os Segredos de quem Tem. Assim é importante que você leia outros livros antes para colocar as suas finanças em ordem e aprender sobre como melhorar seus hábitos de consumo e reduzir despesas, para então ter dinheiro para investir.

Livros de investimentos de outros autores nacionais tendem a ser uma “enciclopédia de investimentos”, apresentando as opções de investimento existentes no mercado brasileiro (por exemplo, Seu Futuro Financeiro, de Louis Frankenberg), tendo, porém, pouca utilidade prática para aqueles que querem aprender mais sobre o processo de tomada de decisões. Este livro do Gustavo Cerbasi é excelente justamente por fugir dessa formula manjada, apresentando inúmeras informações sobre o processo de tomada de decisões e dicas do que fazer e do que não fazer.

Há vários pontos altos neste livro. Por exemplo, a explicação dos ciclos de investimento do Brasil e do porque imóveis terem sido o principal veículo de investimento no Brasil nas décadas de 1970 e 1980 e como hoje este tipo de investimento pode não ser tão rentável, mesmo a maioria das pessoas no Brasil ainda acharem, equivocadamente, que imóveis são os melhores investimentos possíveis.

Outro ponto alto é “o que não fazer”, com dicas muito boas do que você deve evitar fazer.

E a seção que eu mais gostei foi uma série de dúvidas mais comuns que o autor recebe através de seu site, muito esclarecedor, pois foram abordados dúvidas reais e não perguntas inventadas pelo autor. Aliás, deixo aqui a minha sugestão ao Cerbasi para uma idéia de um futuro livro: um livro apenas de perguntas mais comuns e suas respostas (realmente eu gostei muito desta parte).

Uma dica muito simples mas que eu pessoalmente nunca havia pensado com tanta clareza foi a de “rebalanceamento”. Esta técnica consiste em intervalos regulares de tempo, analisar sua carteira de investimentos para ver se ela continua dentro da distribuição proposta (ex: você decidiu investir 80% em renda fixa e 20% em bolsa). Se ela não estiver, você deve fazer uma redistribuição (por exemplo, se depois de seis meses sua carteira tem 70% em renda fixa e 30% em bolsa, você deve mover os 10% excedentes em bolsa para a renda fixa; se ao contrário você tem 90% em renda fixa e 10% em bolsa, você deve mover 10% da renda fixa para a bolsa). Isso garantirá que você estará vendendo na alta e comprando na baixa, na média. Muito boa dica.

O miolo do livro explora as opções mais comuns de investimentos, com explicações e várias dicas do que fazer e do que não fazer.

A única crítica que eu teria ao livro é que o autor não abordou alguns assuntos, mas ao final do livro o próprio autor esclarece que realmente há assuntos que ele decidiu não abordar, então achei muito bacana o próprio autor esclarecer isto.

A única dica que eu achei que ficou faltando foi em relação à concentração de investimentos em uma única instituição financeira, que é uma dica que pode ajudar a aumentar os redimentos de suas aplicações. O que acontece é que o imposto de renda que é descontado de fundos (o “come-cotas”) pode ser abatido caso outros fundos que você possua tenham dado rendimentos negativos. Por exemplo, supondo que você invista em um fundo multimercado e em um fundo de renda fixa. Se o fundo multimercado durante o período de apuração do imposto de renda tenha dado prejuízo (rentabilidade negativa), este prejuízo é abatido do imposto devido sobre a lucratividade do fundo de renda fixa (por exemplo). Mas isso só é válido caso os fundos estejam na mesma instituição financeira. Se eles estiverem em instituições separadas, você pagará mais imposto de renda.

Ah, sim. Há um assunto que eu não concordo muito que é o da “diversificação”. Na minha opinião quando a pessoa não tem grana ela tem que concentrar, e não diversificar. Além disso, é da minha opinião que diversificação de verdade só ocorre quando você investe em mercados completamente diferentes. Por exemplo, investir em cinco ações em vez de uma ação não é diversificar, pois você está investindo em uma mesma classe de ativos (ações). Se ocorrer uma queda da bolsa, todas as ações tendem a cair. Se você estiver investindo entre renda fixa e ações, é da minha opinião que você também não está diversificando, pois você continua investindo somente em ativos financeiros. A diversificação de verdade ocorre, em minha opinião, quando você investe, por exemplo, no mercado financeiro, negócios, imóveis e metais preciosos, pois neste caso você está investindo em classes diferentes. Mas é claro que para o pequeno investidor, como eu disse, o negócio é concentrar em vez de diversificar, até porque ele(a) não tem grana suficiente para este tipo de diversificação mais “avançada”.

Outra sugestão que deixo ao autor é escrever uma continuação deste livro, um guia mais avançado para aqueles que já conseguiram juntar uma massa considerável de dinheiro e agora precisam multiplicá-lo, talvez cobrindo melhor os assuntos que foram deixados de fora ou investimentos que só fazem sentido para quem tem muita grana.

A editora disponibiliza o primeiro capítulo na íntegra em PDF como “amostra grátis”.

Nota: esta resenha refere-se à primeira edição do livro, de 2008. A edição atual, de 2013, foi atualizada. No PDF acima há as principais diferenças entre as duas edições.

Conclusão Final: Recomendado

Ficha Técnica

Título: Investimentos Inteligentes
Autor: Gustavo Cerbasi
Número de Páginas: 272
Link para comprar